Agilidade emocional

"A beleza da vida é inseparável da sua fragilidade", disse Susan David no TEDWomen 2017.

A Organização Mundial da Saúde diz que a depressão já é a maior causa de invalidez globalmente, superando câncer e doenças cardíacas.

Em uma pesquisa que Susan David conduziu com mais de 70 mil pessoas, ela descobriu que um terço de nós - um terço! - nos julgamos por ter as assim chamadas (equivocadamente) "emoções ruins", como tristeza. Ou raiva. Ou mesmo pesar.

Alternativamente, tentamos por, na marra, esses sentimentos de lado.

Ser positivo virou uma nova forma de correção moral. O problema é que "ser forte", expulsar os sentimentos "negativos", são respostas emocionalmente rígidas às coisas da vida. E a negação rígida não funciona. É insustentável.

Pesquisas sobre o que tecnicamente se chama de supressão de emoções mostram que, naturalmente, os sentimentos ficam mais fortes quando são postos de lado ou ignorados. Os psicólogos chamam isso de amplificação. "Você pode achar que está no controle de emoções indesejadas quando as ignora, mas, na verdade, elas é que te controlam", afirmou Susan David.

"Quando colocamos de lado emoções normais para abraçar a falsa positividade, perdemos a nossa capacidade de desenvolver as habilidades para lidar com o mundo como ele é. E Não como gostaríamos que ele fosse", completou ela.

Susan diz que só gente morta nunca tem sentimentos indesejados ou inconvenientes. "Emoções difíceis são parte do nosso contrato com a vida", diz ela. "O desconforto é o preço da entrada para uma vida significativa."

As pesquisas hoje mostram que a aceitação radical de todas as nossas emoções, mesmo as bagunçadas e difíceis, é a pedra angular da resiliência e da felicidade autêntica. Mas, segundo Susan, não basta aceitar. É preciso ser preciso. Rotular nossas emoções corretamente para encontrar a causa dos nossos sentimentos. "Emoções são dados", observa ela. "E não diretrizes." Posto de outra maneira: "Nós somos os donos das nossas emoções; elas não são as nossas donas".

Mas como desmontar a rigidez e a abraçar a agilidade emocional? "Quando você sentir uma emoção forte, difícil, não corra para as saídas emocionais", sugere Susan. Em vez disso é melhor tentar entender o que a emoção está querendo dizer.

Esta é uma habilidade crítica nos ambientes de trabalho. Nas pesquisas de Susan, quando ela olhar para o que ajuda pessoas a levar o melhor delas para o escritório, surge sempre um fator-chave: a "consideração individualizada". "Quando se permite que as pessoas sintam a sua verdade emocional, o engajamento, a criatividade e a inovação florescem na organização", nota Susan. "Diversidade não é só de gente. É também do que está dentro das pessoas." Incluindo a diversidade de emoções.